Um local para homens conscientes de seu papel. Obsv.


Doutor da Universidade de Coimbra publica artigo sobre a validade ontológica de um estilo de vida g0y

27/06/2019 20:17

O professor Nuno Sá-Teixeira é psicólogo e doutor em Psicologia Experimental pela Universidade de Coimbra – Portugal. Trabalha na linha de interface de pesquisa com a Psicologia Cognitiva, Psicofísica e a Psicologia Matemática, com ênfase em Processos Perceptuais e estudo dos Fatores Humanos. 

 

Segundo o professor, apesar de se declarar gay, ele entendia perfeitamente o conceito g0y do ponto de vista prático. Mas, começou a levar a sério o conceito, quando de fato conheceu uma comunidade g-zero-y em Portugal e pode observar que apesar de  serem homens e também em menor ou maior grau sentirem atração por homens, em termos culturais, valores e comportamentos, eles eram muito diferentes da comunidade gay conhecida.

 

Isso o motivou a pesquisar durante três anos, se esse conceito "recém-inventado" seria válido ou não. Perguntando por nossa equipe se ele teve surpresas em seu estudo, ele respondeu:

- Fiquei surpreso sim, ao saber que o conceito g0y já existia desde o primeiro momento, apenas o rótulo é novo, mas o conceito não. Ele pode estar presente desde o Egito Antigo, e não imaginava isso. Não era condenado pelo povo hebreu, que fundou as principais religiões atuais. Era o ideal de vida do Filósofo Platão e além disso a minha maior surpresa foi saber o mesmo criador e autor da palavra homossexual - o jornalista Kertbeny já dividia o mundo da homossexualidade em duas instâncias: Os piguistas e os mastubadores; lendo-se o paralelo dos conceitos na história piguista corresponde ao gay e onossexual (masturbador) corresponde ao g0y.

 

O professor com base em suas pesquiasas ontológicas (pesquisas que estudam A ESSÊNCIA DAS COISAS), chega à conclusão de que em príncipio nada foi encontrado no sentido que se possa dizer "que o conceito g0y seja um conceito inválido" ou que o conceito gay tenha que ser comum a todos homem que exprimam algum tipo de afeto homoerótico.

 

Na nossa opinião, o artigo do professor Nuno é profundo e de excelente qualidade, por isso indicamos que vale muito a pena ler a sua intégra que pode ser acessado pelo link: 

       https://www.uel.br/revistas/uel/index.php/eip/article/view/28953/25489   

 

—————

Voltar