Um local para homens conscientes de seu papel. Obsv.


Os 13 tipos de 'bissexuais' - Quem são eles.

04/08/2015 08:51

O húngaro Karl-Maria Kertbeny ao criar o termo homossexual em 1869, dividia o comportamento sexual dos homens em apenas hétero e homo A noção de bissexualidade ainda não existia na época e portanto o "homem homossexual" que eventualmente ou corriqueiramente transasse com mulheres NÃO era considerado um 'homosexuell' nos termos da época. "Hétero safado" seria talvez a noção mais corriqueira.

Sigmund Freud, certamente foi um dos primeiros que trabalhou com a noção que as primeiras expressões da sexualidade infantil são de natureza bisex e, ao longo da vida, a maioria das pessoas acabam indo para um dos lados. Portanto, já que a bissexualidade seria a fonte primária, ela também apresentaria maior instabilidade psíquica. 

Convém lembrar que Freud era judeu, e talvez por isso lidasse com as expressões da sexualidade de uma forma "não cristã", nos moldes que a conhecemos. Sobre Judaísmo e homoafetividade recomendados, esse texto sobre o sexo nas leis moisaicas.

Alfred Kinsey, apesar de ser um autor que surge meio século depois de Freud, certamente foi o que mais chocou o mundo ao mostrar que o mundo masculino hétero, não era tão maioria quanto se imaginava; e além disso, mostrou que o mundo gay também era uma minoria (daí vem os famosos e tão difundidos 10%, não é um número 'mágico', foi fruto das pesquisas de Alfred Kinsey em 1949), e também nos seus estudos mostrou que havia uma enorme quantidade de homens que ficavam passeando entre os dois extremos - ou seja os bissexuais.

Só que o bissexual de fato (ou seja o meio a meio 50% hétero e 50% gay) também é uma minoria. A grande maioria dos bissexuais tendem a apresentar predominantemente comportamentos sexuais héteros e/ou comportamentos sexuais homo. Para esses Kinsey, nem chega a utilizar o rótulo bisex, mas sim usava por exemplo: Homem "heterossexual, apenas eventualmente homossexual".

"É extremamente difícil calcular a extensão da bissexualidade porque depende muito de como o termo é definido. Por exemplo, pode haver pessoas que se identificam como bissexuais (caso em que a estimativa pode ser bastante pequena), ou poderia ser todas as pessoas que tenham sofrido uma atração estética, romântico ou sexual a mais de um gênero (caso em que a estimativa pode ser bastante grande) ".  Tradução do Site StoneWall

Mais recentemente a internet foi invadida por um autor abreviado por J.R., tentamos localizar o artigo científico original do referido autor, mas não o localizamos. Seja como for, o texto está replicado e difundido centenas e centenas de vezes na internet em língua inglesa e foi parar inclusive no portal g0ys.org

J.R.  identifica pelo menos 13 tipos de bissexualidade, como definido por desejos sexuais e experiências. Eles são:

Bissexuais alternados (Alternating bisexuals)Podem ter um relacionamento com um homem, e, em seguida, depois que o relacionamento terminar, pode escolher uma parceira para um relacionamento posterior e, anos depois, voltar para um parceiro masculino em sequência e assim por diante.

Bissexuais circunstanciais (Circumstantial bisexual): Principalmente heterossexual, mas vai escolher parceiros do mesmo sexo apenas em situações onde não têm acesso a outros parceiros sexuais, como quando na prisão, nas forças armadas, ou em uma escola segregada em termos de género ou outras situações de "escassez".

Bissexuais de relacionamento simultâneos (Concurrent relationship bisexuals): Têm relação primária com apenas um gênero, mas tem outras relações casuais ou secundários com pessoas de outro sexo, ao mesmo tempo, é o clássico exemplo de vida dupla, normalmente casado com mulher.

Bissexuais condicionais (Conditional bisexuals): Com pressão bisex "de fora para dentro" - do meio social para o indivíduo, são heterossexuais ou gays/lésbicas que mudam para um relacionamento com ouro gênero para obter ganhos financeiros, de carreira ou para uma finalidade específica, como jovens héteros que se tornam gay-to-pays (prostitutos gays) e também lésbicas que se casam com homens, a fim de ganhar aceitação de membros da família ou ter filhos.

Bissexuais emocionais (Emotional bisexuals): Também chamados de pseudo-bissexuais, softbisex ou almost bisexual, os bissexuais emocionais têm relações afetivas íntimas com homens e mulheres, mas apenas têm relações sexuais com um dos sexos.

Bissexuais integrados (Integrated bisexuals): Ter mais de uma relação primária ao mesmo tempo, uma com um homem e uma mulher com uma. É parecido com o bissexual de relacionamento simultâneo, a diferença reside no fato de não ser algo camuflado ou escondido.

Bissexuais exploratórios (Exploratory bisexuals): Tiveram relações sexuais com o mesmo e/ou com o outro género apenas para satisfazer a curiosidade ou "ver como é".

Bissexuais hedonistas (Hedonistic bisexuals;): Principalmente heterossexual, mas se envolver em sexo gay ou lésbica apenas quando sob a influência de drogas e / ou álcool. OBS: Aqui no Brasil houve um erro de tradução terrível, e muitos locais difundiram o bissexual hedonista, como sendo highsexual. Mas, uma coisa não tem nada a ver com a outra. Sobre o highsexual leia mais aqui.

Isolado bissexuais (Isolated bisexuals): 100% hetero ou gay / lésbica no presente, mas já haviam tido experiências sexuais com outro género no passado, de uma forma bissexual exploratória.

Bissexuais latentes (Latent bisexuals): Completamente em linha reta ou gay/lésbica no comportamento apresentado, mas têm um forte desejo de contato com outro gênero, mas nunca agiu sobre ele. Potencialmente ele pode no futuro tornar-se um bissexual exploratório ou ainda um bissexual emocional. 

Bissexuais motivacionais (Motivational bisexuals): Geralmente são mulheres heterossexuais que têm relações sexuais com outras mulheres só porque um parceiro masculino insiste nisso para excitar-lo.

Bissexuais transitórios (Transitional bisexuals): Trata-se do homem ou mulher que identifica-se  temporariamente como bissexual, enquanto no processo de "descorbeta" mas não deixa de forma permanente na idade adulta de sentir-se e se identificar como gay ou lésbica, ou na maioria como ser heterossexual.

 

Notamos estes 13 tipos de bissexuais expostos em sites de saúde, sites sérios, sites de fofoca, enfim... está disseminado!. Para apenas não repetí-los, notamos de uma forma crítica em perspectiva que os 13, poderiam ser tranquilamente reduzidos para muito menos. Os motivacionais e condicionais por exemplo são muito parecidos, no sentido de ser algo "forçado" pelas circunstâncias externas, e ambos no sentido de buscar ganhar (ou não perder) algo; da mesma forma os tipos isolados/exploratórios/transitórios são muito próximos e todos relativos ao 'bi-curioso'. Mas vamos ao que nos interessa: À velha pergunta um g0y é ou não é um bissexual?

Para tornar-se bissexual a pessoa tem que emitir comportamentos sexuais héteros transando com pessoas do sexo oposto e também emitir comportamentos homossexuais, realizando a cópula com pessoas do mesmo sexo. Isso que caracteriza o bisex. Note que o próprio autor J.R., trabalha com a noção de bissexual latente, o que implica em que se está apenas no nível dos desejos e se é latente, não é um bissexual no presente – talvez, possa ser no futuro; só que há um perigo enorme nesse conceito, pois apesar de ser verdadeiro para diversos casos, ele não pode ser generalizado e ninguém pode sair gritando aberrações por aí afora como o slogan: Todos os homens são bissexuais, mas  como? Eles são héteros, transam apenas com mulheres? ! Ah... é que eles são bisexuais latentes... seria rídiculo, não caia nessa armadilha.

O bissexual emocional seria o que nós chamamos aqui de heterogoy? Resposta: SIM.

No entanto, o mesmo por definição é um pseudo bissexual ou ainda almost bissexual - ou seja é quase bissexual; ora..., se é "quase" implica em dizer que não é. Não é um bissexual, mas sim próximo a ele. 

Como reafirma-se várias vezes na filosofia g-zero-y, o bissexual e o hétero fléxivel (ou heterogoy) são conceitos próximos, no entanto não são equivalentes. Cada um tem as suas particularidades e possuem identidades que são próprias. 

Saindo do campo conceitual/teórico e indo para a vida como ela é, nesse pouco mais de uma década de movimento g0y pelo mundo afora, notamos que enquanto literalmente milhões de pessoas são bissexuais, a maioria mantêm em segredo o seu comportamento sexual, e isso faz dos bissexuais um grupo que é quase invisível na sociedade.  

Homens gays por exemplo têm reconhecido a necessidade de se unir, criar comunidades e se organizar politicamente. Bissexuais, ainda não. Os bisex não se definem como sendo uma classe média (como os g0ys ressaltam no movimento), metaforicamente querem participar  tanto das altas rodas da High Society, quanto participar das rodas na cultura da favela. Isso implica em dizer que a posição bissexual não é uma posição média, mas uma condição de um ser humano que vive em dois mundos diferentes. Próximo da pansexualidade o bisex sofre por não ser bem aceito pelos gays e nem pelos homens héteros, e por isso, quando estão perto de um deles, via de regra, talvez escondam a sua condição  a fim de evitar conflitos.

Nessa direção, a condição bissexual de uma forma geral, têm sido uma situação muito mais lenta para sair do armário, criar comunidades, criar vínculos e formar redes políticas e sociais para ganhar visibiliade e influência na sociedade. A noção de que 'existem bissexuais entre nós' já completa mais de um século, mas ainda carece de uma identidade clara. Por outro lado, os g0ys completam nesse momento pouco mais de uma década, entretanto já se organizam, ganham visibilidade e, pricipalmente, saem do armário sem medo de confrontar conceitos antigos e fortemente arraigados na hétero normatividade. E isso é importante, pois mesmo que em um movimetno silencioso e uma 'luta sem armas', dessa maneira a cada momento os g0ys tornam-se mais articulados, mais vísiveis, mais fortes e aos poucos vão adquirindo a sua tão devida credibilidade.

 

—————

Voltar